Início / Notícias / Brasil / Munição que matou Marielle é do mesmo lote usado em chacina na Grande SP em 2015

Munição que matou Marielle é do mesmo lote usado em chacina na Grande SP em 2015

s munições calibre 9 mm que mataram a vereadora carioca Marielle Franco (PSOL) e o motorista Anderson Gomes são do mesmo lote de parte das balas utilizadas na maior chacina do estado de São Paulo. Os assassinatos de 17 pessoas ocorreram em Barueri e Osasco, na Grande São Paulo, em 13 de agosto de 2015. Três policiais militares e um guarda-civil foram condenados pelas mortes.

O lote em questão é o UZZ-18, como revelou com exclusividade o RJTV 1ª edição nesta sexta-feira (16). Segundo a Polícia Civil do Rio, esse lote foi vendido à PF de Brasília pela empresa Companhia Brasileira de Cartuchos (CBC) no dia 29 de dezembro de 2006, com as notas fiscais número 220-821 e 220-822.

A Polícia Civil do Rio já descobriu que a munição é original — ou seja, não foi recarregada. Isso porque a espoleta, que provoca o disparo da bala, é original.

Os agentes chegaram a essas conclusões após a perícia. Agora, as polícias Civil e Federal vão iniciar um trabalho conjunto de rastreamento. A Polícia Federal instaurou inquérito para apurar a origem das munições e as circunstâncias envolvendo as cápsulas encontradas no local do crime.

Debate onde estava Marielle pouco antes de ser assassinada (Foto: Reprodução/Twitter/@mariellefranco)Debate onde estava Marielle pouco antes de ser assassinada (Foto: Reprodução/Twitter/@mariellefranco)

Chacina

Munições desse lote também foram usadas na chacina de Osasco e Barueri. Durante a investigação do crime, a Polícia Técnico-Científica de São Paulo descobriu que todas as balas usadas pelos assassinos eram calibre 9 mm de cinco lotes diferentes da CBC: BIZ-91, AAY-68, BAY-18, BNT-84 e UZZ-18.

O BIZ-91 foi adquirido pelo Exército; os AAY68 e BAY18, pela Polícia Militar de São Paulo; e os BNT84 e UZZ18, pela PF.

A polícia de São Paulo não conseguiu rastrear se essas balas foram desviadas ou roubadas de algum batalhão.

Todos os acusados foram considerados culpados pelos crimes, em dois julgamentos. No primeiro júri, realizado em setembro de 2017, foram condenados o PM da Rota Fabrício Eleutério (255 anos, 7 meses e 10 dias de prisão); o policial militar Thiago Henklain (247 anos, 7 meses e 10 dias); e o guarda-civil Sérgio Manhanhã (100 anos e 10 meses).

No segundo julgamento, o PM Victor Cristilder Silva dos Santos foi condenado a 119 anos, 4 meses e 4 dias de prisão. Segundo a acusação, eles cometeram os assassinatos para vingar as mortes de um PM e de um GCM dias antes da chacina.

Assassinato vereadora Marielle Franco (Foto: Inforgráfico: Karina Almeira/ G1)Assassinato vereadora Marielle Franco (Foto: Inforgráfico: Karina Almeira/ G1)

Fonte: G1

Sobre Administrador

Veja também

528184057e24ba503ec70323a66117f7

Cachorro “católico” vai a procissão, participa de missa e casamento

A rotina de um cachorro que vive no calçadão no Centro de São Lourenço (MG) …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *